Arquivo da tag: intervenções desnecessárias

Imobilização: da série Rotinas do parto “normal”: o que eles fazem por você que mais atrapalha do que ajuda

Padrão

fotos-de-parto-normal

Olá, gente! Vamos continuar nossa série sobre rotinas hospitalares do parto Normal? O próximo item da lista é a restrição de movimentos que ocorre na maior parte dos hospitais. Os motivos alegados são muitos, desde falta de espaço, privacidade da parturiente no leito ao lado, até necessidade de ficar parada por causa de exames ou aparelhos. Em alguns hospitais, não há restrição específica sobre a deambulação durante o trabalho de parto (fora a cara feia das enfermeiras achando que você está atrapalhando ali no meio do corredor). Porém, na hora do expulsivo, a mulher é conduzida para a sala de parto e lá é colocada deitada, de costas, com as pernas em perneiras, muitas vezes amarradas. Vamos falar sobre os problemas da imobilização em ambos os casos e das vantagens de estar em movimento ou com liberdade para escolher a melhor posição (calma, não significa ficar na esteira o trabalho de parto inteiro, rsrs).

caminhando para o parto normal

Dilatação e gravidade: o caminho é para baixo!

Como o colo do útero dilata? Na verdade ele dilata através de uma tração das bordas do colo, promovida pelo encurtamento das fibras da parede do útero, além do estímulo mecânico da cabeça do bebê, empurrada contra o colo pelo fundo uterino. Existe uma força amiga, natural e incrível chamada força da gravidade. Ela puxa os corpos para baixo. Se você está em posição verticalizada (de pé, sentada, acocorada, de joelhos) o caminho do bebê é exatamente este, para baixo. Assim, além da força das contrações, ganhamos uma aliada, a universal força da gravidade! Consequentemente, a força resultante sobre o colo é maior logo, é de se esperar e compreender que a dilatação ocorra mais rápido. E deitada? Deitada ela empurra teu bebê na direção das tuas costas. Opa! Caminho errado!

trabalhoparto-2

Não só errado como perigoso. Por trás do útero passam os grandes vasos que trazem o aporte sanguíneo para a placenta. É por estes grandes vasos que o oxigênio vem para o bebê no útero. Ao deitar, a gravidade empurra o peso do bebê e do útero sobre esses vasos, causando uma compressão dos mesmos, o que irá reduzir o fluxo sanguíneo.

Menos sangue = menos oxigênio para o bebê = variações nos batimentos cardíacos = sofrimento fetal

Daí decorrem diversas complicações, novamente fabricadas, nesse caso, pela posição nada inteligente que é ficar deitada: dilatação mais lenta, coloca ocitocina! Ocitocina sintética intensifica as contrações, reduz a oxigenação, como já conversamos no post sobre o sorinho. Mas o sorinho também altera os batimentos cardíacos fetais! E o peso do útero nos grandes vasos também! Coloca no Cardiotocógrafo pra monitorar e assim a mulher vai ficando cada vez mais imobilizada e soterrada por equipamentos para monitorar e corrigir o que a própria imobilização causou. Além de tudo, pelos relatos e pela minha experiência, a posição mais incômoda para se ficar em trabalho de parto é justamente deitada! Além de doer mais (muito, muito mais para mim, beirando o insuportável, ao passo que em posições verticais era completamente aceitável), o volume e peso uterinos comprimem o diafragma, músculo responsável pela respiração, o que pode causar falta de ar, tontura e ah! Claro! Falta de oxigenação para o bebê, que respira, afinal, graças aos pulmões da mãe.

SE eles conseguirem chegar ao período expulsivo sob essas condições, antes de um diagnóstico de sofrimento fetal agudo (ou melhor, batimentos cardíacos fetais não tranquilizadores) e indicação de cesariana, vamos para o próximo item.

A expulsão: para baixo e além!

Chegou a hora de expulsivo. O bebê vai nascer. Talvez vocÊs tenham superado todas as adversidades citadas acima (a natureza é realmente incrível e consegue se superar mesmo com tanta gente atrapalhando, não é mesmo?). Você sabe tudo o que acontece com os ossos do quadril, a movimentação da cabeça do bebê, todo o incrível mecanismo que tem dado tão certo ao longo de mais de 10000 anos de história humana na terra?

perceba como é um movimento natural, a favor da gravidade   X   Note com de C para D o bebÊ precisa subir, movendo-se contra a gravidade

Ao término da dilatação, vagina e útero formal um túnel contínuo. A cabeça do bebê e seus ossinhos móveis e flexíveis (graças às moleirinhas ou fontanelas) vem descendo, de ladinho, mergulhando na bacia da mãe. Aí ele vai girando e se arrumando de forma que a nuca do bebê vai se encaixar no ossinho do púbis da mãe, aquele ossinho que fica bem ali sob os pelos pubianos. Justamente ali o canal vaginal faz uma curvinha para frente. Na parte de trás do quadril estã o sacro e o cóccix, que compõe o finalzinho da nossa coluna vertebral e também se curvam pra frente. Habitualmente, esses ossos são fixos, imóveis, não são articuláveis, assim como a sínfise púbica, que é a parte central do ossinho da frente. MAs na gestação, sob ação de um hormônio chamado relaxina, essas articulações adquirem mobilidade! Não é genial? Quando o bebê, com a nuca encaixada no púbis flexiona a cabecinha para trás, usa esse ossinho como apoio para uma alavanca que o vai empurrar para fora! Ao mesmo tempo, para facilitar a passagem dele, o cóccix se flexiona para trás! Simples assim: www.youtube.com/watch?v=bHIIxpw3tzY Então olha só, quanta coisa envolvida pra ajudar o bebê a sair:

  1. A alavanca da nuca do bebê x púbis materno
  2. A flexão do cóccix para trás
  3. A contração do útero
  4. A força da gravidade

Estudos radiológicos do início do século passado demonstraram que há um aumento de 20% no tamamanho do vão central da bacia da mulher quando esta está de cócoras. Mas, a despeito de tudo o que a natureza trabalhou para desenvolver, a parturiente entra na sala de parto e a deitam de costas. Pra completar o desconforto, colocam as pernas dela para cima e muitas vezes, amarram. Essa posição impede que muita coisa aconteça. Impede que ocorra a flexão do cóccix, impede que haja ajuda da gravidade (e de fato, nesta posição ela atrapalha pois além de promover a compressão dos grandes vasos que citamos antes, vai ser uma força a mais para o bebê vencer pois o canal vaginal, projetado para frente, nessa posição fica para cima, fazendo com que o bebê tenha que subir para depois sair!), impede que a mulher veja, toque, ampare, pegue seu filho ao nascer, promove maior pressão contra a parte posterior do períneo (ao invés de distribuí-la uniformemente por todo o assoalho pélvico) favorecendo lacerações. Então. POR QUE DEITAM A MULHER AFINAL?

       X       26

Ué, gente, pra facilitar o trabalho do médico. Assim, deitadinha, perninhas amarradas bem abertinhas, é muito mais fácil pra ele, o médico, o protagonista, o cara que FAZ o parto, ficar confortavelmente sentadinho em um banquinho assistindo de camarote o milagre da vida acontecer APESAR de tudo o que fazem para atrapalhar. E não só isso. Como é ele quem FAZ, precisa ajudar o evento, superando as dificuldades CRIADAS através de intervenções invasivas, violentas e na maior parte das vezes, desnecessárias. Pra ajudar o útero a empurrar o bebê, a barriga da mulher é pressionada em uma manobra perigosa e violenta chamada Kristeller, enquanto a equipe em coro ordena aos gritos que a mulher faça força (afinal, é só isso o que precisa fazer e nem isso faz direito). Para tirar logo o bebê do canal vaginal assassino, pois ele está com pouca oxigenação, usam o fórceps. Para PROTEJER o períneo sobrecarregado pela pressão da ocitocina, da posição inadequada, da força conduzida e do kristeller, CORTAM a vagina de TODAS as mulheres que parem por suas mãos. Depois concertam os estragos, costurando direitinho e se for bem machista, ainda vai fazer uma piadinha sem graça sobre um pontinho a mais para garantir que o playgroud do maridinho volte pra casa novinho em folha. Ufa! Parto feito, missão cumprida.

E na maca, uma mulher jaz em pedaços, violada, violentada, ferida. MAs o prêmio está em seus braços. Seu bebê é saudável, portanto, “pare de reclamar e fique feliz. E agradeça ao doutor, que salvou sua vida e a de seu bebê. O que seria de vocês sem ele?”. Assim elas se calam e abafam a dor, sem serem compreendidas, sem que o mundo perceba que ela teve seu momento roubado.

A OMS recomenda que se estimule a livre movimentação durante o trabalho de parto e durante o período expulsivo. E classifica a posição de litotomia de rotina como ineficaz, prejudicial e que deveria ser eliminada. Afinal, por que continuamos permitindo que nos deitem?

Anúncios

Enema: Da série Rotinas do Parto “Normal” – o que eles fazem por você que mais atrapalha do que ajuda

Padrão

Enema – constrangimento desnecessário

Enema ou enteroclisma são procedimentos utilizados para promover o esvaziamento dos intestinos. A diferença de um para outro é a quantidade de fluido inserido na porção distal do intestino através do reto. É também conhecido como lavagem intestinal. É procedimento de rotina na maioria dos hospitais e maternidades no momento de internação da parturiente, mais uma etapa do “ritual de purificação”. Qual o suposto objetivo? Evitar a contaminação fecal na hora do parto e acelerar o andamento do trabalho de parto. E qual o verdadeiro resultado? Dor, desconforto e humilhação.

Dá pra imaginar a situação da mulher, com contrações, novamente submetida a outro procedimento humilhante que vai lhe causar uma baita cólica intestinal com uma maravilhosa diarréia? Perfeito, não? Calma! ainda pode ser pior e você passar boa parte do trabalho de parto gotejando matéria fecal líquida. Inúmeros estudos demonstraram que não houve redução no tempo de trabalho de parto e nem na contaminação fecal e nem na incidênca de infecção pós parto na episiotomia.

Opa! Mas episiotomia é aquele famoso corte no períneo que teve sua aplicação como procedimento de rotina questionada e derrubada há quase trinta anos atrás. Voltamos ao que eu argumentei no post anterior: se a episio deve ser feita em raríssimos casos, não há justificativa para realizar enema em todas as parturientes que chegam mesmo que tal procedimento prevenisse infecção no pós parto. E se o medo é de a mulher defecar durante o expulsivo, sejamos objetivas: muito mais fácil recolher uma pequena quantidade de fezes em consistência normal do que limpar um jato de diarréia que se espalha por tudo e contamina uma área muito maior. Até na banheira, por exemplo, se ocorrer a eliminação de fezes, recolhe-se com uma peneirinha rapidamente e pronto! Problema resolvido! Mas e se for líquida? Fazer o quê com toda aquela água? Ou seja, é muito mais fácil contaminar tudo se você tiver sofrido enema.

“Ai, mas que vergonha, fazer cocô na frente de uma platéia, com um holofote virado pra mim!” Vamos desmistificar um pouco o assunto. Se você mantiver uma alimentação equlibrada, com bastante fibras, garantindo uma evacuação normal nos últimos dias que precedem o parto, é muito provável que seu corpo realize uma limpeza natural e no início do trabalho de parto você vá sucessivas vezes ao banheiro, eliminando o conteúdo de seus intestinos. Caso permaneça algum material na ampola retal, o que ocorre é que, quando a cabeça do bebê descer pelo canal de parto, o tecido que separa o canal vaginal do canal retal vai ser empurrado pará trás e vai bloquear seu reto (visualizou?). Então, o que estiver acima disso, não desce mais. Mas se tiver algo na porção final do reto, provavelmente vai ser empurrado para fora com o movimento da cabeça do bebê e sim, vai sair, ANTES do bebê, em estado sólido, em pequena quantidade e quem te assiste vai ter a delicadeza de tirar dali o material sem que você talvez nem perceba que o fez e sem nem fazer nenhuma brincadeirinha ou comentário infeliz. Agora, se você passou pelo enema, o bloqueio da cabeça do bebê talvez não seja suficiente pra conter a enxurrada que pode ter restado no seu intestino e aí…

E se você está lendo isso, provavelmente é por que está interessada em um parto menos “normal” que o padrão hospitalar de hoje, de forma que eu acredito que não vá haver um holofote virado pra você e sim uma tênue luz preenchedo a sala. E se você sofre com prisões de ventre horríveis, se na ocasião do parto estiver há dias sem evacuar e isto estiver te gerando desconforto, se tem fezes assim tão ressequidas e tanta dificuldade pra evacuar e se seu corpo não eliminar sozinho o conteúdo intestinal nas horas que precedem o parto, bem, pode ser que se beneficie com um enema. O mais importante é a avaliação INDIVIDUAL de cada caso e a sua LIBERDADE de escolha e não simplesmente se subeter a um procedimento por que o doutor mandou ou por que é regra do hospital. Mas eu acho que se beneficiaria muito mais resolvendo a prisão de ventre antes da hora P.

Enema: mais um procedimento que a OMS considera prejudicial ou não efetivo e que deve ser exlcluído dos protocolos de rotinas hospitalares.

Para saber mais:

http://www.scielo.br/pdf/rlae/v9n6/7826.pdf

http://www.febrasgo.org.br/arquivos/femina/Femina2010/outubro/Femina_v38n10_527-537.pdf

Rotinas do Parto “normal”– o que eles fazem por você que mais atrapalha do que ajuda

Padrão

Depois de um tímido início e um abandono de quase um ano, vou voltar a postar neste espaço. Sei que ainda devo o relato do Nascimento de Vini, mas isso vai ficar pra outro dia. O fato é que uma pessoa muito querida está grávida e cheia de dúvidas. Outras pessoas de quem também gosto muito brevemente irão se aventurar nesse universo surpreendente que é a maternidade e euzinha mesma já estou pensando seriamente em produzir o terceirinho portanto, resolvi publicar uma série de posts esclarecedores e FUNDAMENTAIS para toda grávida que se ARRISCA em dizer que quer um parto normal hoje, 2013, no Brasil.

Pra escolher o que queremos, precisamos conhecer exatamente quais nossas opções, certo? E o hit do momento é o tal parto humanizado. MAs o que é um parto humanizado afinal? Primeiro, vamos nos situar e esclarecer o que é um PARTO NORMAL, que de normal, minha filha, não tem NADA. Papo de cesarista? nããããão… calma que tudo se explicará.

O chamado parto NORMAL oferecido (nem tanto) pela maioria dos hospitais e profissionais é na verdade, uma série de procedimentos MÉDICOS que culminará com a extração vaginal de um feto, que passará a se denominar neonato. Você sabe que procedimentos são esses e para que ele servem (se é que servem para alguma coisa)? Como não sabe?! Você PRECISA SABER pois certamente é o que farão com VOCÊ, com o SEU CORPO, com o SEU FILHO.

Como a lista é grande, acredito que cada procedimento mereça um post específico. Então segue a lista dos procedimentos “de rotina” (que são feitos em todas as parturientes que chegam ao hospital, sendo ou não necessários).

  • Tricotomia (raspagem dos pelos)
  • Enema (lavagem intestinal)
  • ISolar a mulher, impedindo-na de ter o acompanhante que escolher (isso é lei, minha gente, desde 2006)
  • Exames de toque sucessivos, muitas vezes por mais que um examinador
  • Monitorização fetal contínua
  • Sorinho (com ou sem pitocina)
  • Jejum, de água e comida (fala sério, tortura da braba)
  • Imobilização, seja durante o trabalho de parto, seja na hora do expulsivo
  • Rompimento artificial da bolsa
  • Anestesia
  • Força conduzida
  • Posição de litotomia (frango assado, posição ginecológica, muitas vezes até com as pernas AMARRADAS nas perneiras)
  • Manobra de Kristeller
  • Episiotomia (aaaaaai! o pique! uma mutilação vaginal sem função que já teve sua necessidade derrubada em 1985 e até hoje fazem em TODAS – ou quase todas, e o pior, sem pedir autorização, simplesmente cortam. Isso é crime! é lesão corporal!)
  • puxar o bebê pra fora depois que a cabeça sai
  • Clampeamento imediato do cordão

A partir daí, a gente separa os procedimentos em duas linhas: procedimentos pós parto imediato que a mãe sofre e os procedimentos ao qual vão submeter o pobre recém nascido.

Com a mãe Com o bebê
Tração do cordão umbilical Tapa ou esfregões para chorar
Massagem uterina Aspiração das vias aéreas
Toque retal Sonda oral e anal
Injeção de ocitocina (se já não estiver tomando no soro, of course) Colírio (credê)
Episiorrafia (se sofreu episiotomia ou se houve laceração) Injeção de Vitamina K
medir
pesar
banhar
levar para berço aquecido, berçário ou qualquer forma de privação da companhia materna sem motivo que justifique
Soro glicosado ou mamadeira com suplemento

Por hora, é o que lembro. Deixando claro que alguns dos procedimentos podem até ser úteis em casos específicos, o que não justifica que sejam utilizados em TODOS os casos. Outros da listinha aí de cima, minha amiga, são comprovadamente PREJUDICIAIS à saúde da mãe e/ou do bebê e ao bom andamento do parto. Então vou pela ordem e vou tentar publicar o quanto antes, por que, acredite em mim: Nove meses é muito pouco para desconstruir e reconstruir tudo o que você conhecia ou achava conhecer sobre parto e nascimento humano.